20 anos mais jovem? É como se sentem muitos adultos

A idade que aparece todos os anos nas velas do bolo nem sempre corresponde àquela que nos revemos.

Afinal de contas, a idade é apenas um número. Um dito popular que pode mostrar apenas a forma como quem diz valoriza a idade legal, presente nos dados oficiais da pessoa. Ainda assim, as idades estão associadas a diferentes direitos e privilégios, bem como a expectativas comportamentais. Por exemplo, espera-se que os idosos sejam frágeis e indefesos.

No entanto, um estudo recente mostrou que a maioria das pessoas tem a sua idade subjetiva – a forma como elas se sentem por dentro -, que pode ser muito diferente do número de anos vividos desde a data de nascimento. O autor do estudo denomina como a idade da personalidade individual, que varia para cada indivíduo. Como é comum um jovem sentir-se mais velho que a idade, também se pode verificar o oposto.

Algumas pesquisas anteriores sobre este conceito sugerem que as pessoas mais velhas precisam de ser saudáveis para se sentirem mais jovens. Porém, a investigação de Lisa Carver descobriu que «mesmo as pessoas com várias doenças podem sentir uma idade menor que a idade cronológica». Quase 60 por cento dos participantes vivem com uma dor regular. A maioria das pessoas disse sentir-se décadas mais jovem do que a idade cronológica, mesmo as que viviam fustigadas por doenças e apenas 8 por cento dos participantes sentem a mesma idade dentro de sua idade cronológica.

Para efeitos deste estudo, foram entrevistados 66 pessoas entre 65 a 90 anos dos Estados Unidos e do Canadá para descobrir a idade que sentiam por dentro. A sua média real de idades é de 72 anos, embora a média das idades subjetivas seja de 51 anos, com uma diferença média de cerca de duas décadas.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Mark Ronson desvenda futuro dos vídeos de música
Automonitor
Moto elétrica… de madeira chega em 2020