Afinal, o dinheiro traz ou não felicidade? Saiba o que diz a ciência

A ciência procura há décadas perceber se a felicidade está na lista de itens impagáveis, ou se devemos procurar ter sempre mais dinheiro para a conquistar.

Considerando alguns estudos que relacionam felicidade e dinheiro, o site Gauchazh responde que “sim, mas”.

Nações ricas são mais felizes?

Primeiro, é preciso definir o conceito de felicidade, amplo e subjetivo, mas que, em geral, pode ser considerado um estado emocional positivo. À sensação de felicidade estão associados o prazer, o bem-estar e a perceção de sucesso.

— Tem muito a ver com satisfação e o quanto a expectativa das pessoas está a ser cumprida na vida que elas têm. Se existe uma distância muito grande entre o que você consegue e o que você espera, mais insatisfação haverá.

O psicólogo americano Ed Diener, da Universidade do Illinois, é uma das autoridades mundiais nos estudos sobre o conceito de bem-estar subjetivo, que é a maneira como as próprias pessoas avaliam as suas vidas. Ele investiga o impacto da personalidade, da cultura e, claro, do dinheiro para que um indivíduo se sinta satisfeito e feliz.

No livro Culture and Well-Being: The Collected Works of Ed Diener, de 2009, o psicólogo mostra que as nações que acumulam mais riquezas conseguem atingir menor índice de mortalidade infantil, garantir fundos para a ciência, investir em parques e locais públicos para lazer. Mas nessas sociedades mais ricas, segundo Diener, serviços e bens extras impactam muito pouco no nível de bem-estar subjetivo dos indivíduos. Ao mesmo tempo, os cidadãos desses países sentem que têm pouco tempo e trabalham mais. Ou seja, se você tem o básico, como saúde, educação, oportunidades para concretizar as suas aspirações e boas relações sociais, talvez a busca incessante por bens materiais tenha mais impacto negativo do que positivo na felicidade.

«As pessoas procuram um nível de riqueza material impensável para gerações anteriores e sacrificam o seu tempo e os seus relacionamentos para obter isso. No entanto, elas deveriam reavaliar as suas prioridades. Essa procura é pouco provável que valha a pena», escreve.

Pedro Henrique de Morais Campetti, professor de economia do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, analisou a literatura e juntou dados de outros países, como Brasil, Argentina, Chile e México, sobre os fatores que impactam a felicidade. O especialista afirma que países com rendimentos mais elevados têm maiores “taxas de felicidade”, mas o crescimento não é proporcional ao aumento da renda. Mesmo com mais riqueza, o nível de felicidade permanece estagnado.

— A felicidade depende de vários fatores, e o rendimento é um deles, mas há também aspetos culturais e comportamentais, e a saúde é o que mais impacta. E quando o assunto é saúde mental, o rendimento da pessoa deixa de ter influência.

— Não se pode dizer que a depressão é mais comum na população pobre. O que vemos é uma maior dificuldade no seu tratamento. Veja-se uma ida às compras e compare-se à toma de um analgésico para dor. Pode ser que exista uma alegria momentânea, mas isso não quer dizer que haverá mudança a longo prazo.

— O consumo pode tornar-se patológico, chegando a um ponto em que a pessoa não consegue parar. O consumo faz uma pessoa trabalhar mais e se stressar, não traz um estilo de vida com mais qualidade.

O tecto do bem-estar

Angus Deaton e Daniel Kahneman, vencedores do Prémio Nobel da Economia, publicaram em 2010 um dos estudos mais famosos que relacionam o aumento de rendimento de uma pessoa com o seu bem-estar emocional (um conceito que tem a ver com as experiências diárias de prazer, stress, tristeza, raiva e afeto) e a perceção própria sobre a vida. Eles constataram que mais dinheiro não compra mais felicidade, mas ter pouco dinheiro está associado a sofrimento emocional.

Com base em questionários feitos nos Estados Unidos, chegaram a um número exacto capaz de trazer felicidade familiar: US$ 75 mil por ano. Ganhar acima desse valor não traz significativamente mais bem-estar emocional.

«Um aumento além deste valor não melhora a habilidade de um indivíduo de fazer o que importa mais para o seu bem-estar emocional, como passar tempo com as pessoas que gostam, evitar dor e doença e aproveitar o lazer», concluíram.

O valor corresponde ao país norte-americano — em sociedades com outros desafios, como desigualdade social, o valor pode ser significativamente menor.

Isso não quer dizer, segundo os cientistas, que uma mudança para mais ou para menos não teria consequências emocionais. O que importa é que, a partir desse ponto, o bem-estar emocional de uma pessoa é mais impactado por outros fatores. A adaptação humana a uma determinada situação também influencia: afinal, pessoas ricas acostumam-se a essa condição. A vida rica transforma-se numa vida normal.

Invista na sua felicidade

Mas se o dinheiro pode comprar felicidade, por que não compra? Porque não sabemos gastar, argumenta a pesquisadora e professora Elizabeth Dunn, do Departamento de Psicologia da Universidade de British Columbia.

«As pessoas não conhecem os factos científicos sobre felicidade, o que a traz e o que a mantém. Elas não sabem como usar o dinheiro para comprá-la”, escreve.

Para Elizabeth Dunn, não é surpreendente que um milionário que nada entende de vinho tenha uma adega em casa, mas prefira mesmo beber cerveja. «E não é surpreendente que pessoas com muito dinheiro não tenham vidas mais felizes», afirma. O dinheiro é uma oportunidade para a felicidade, mas nem todos sabem como aproveitá-la.

A pesquisadora explica que investir em experiências é melhor, uma vez que nos adaptamos às coisas de uma forma muito rápida.

Em 2016, um estudo de Cambridge cruzou dados bancários e o traço de personalidade de 625 participantes. A conclusão é semelhante à de Elizabeth Dunn: o dinheiro, se investido da maneira correta, pode aumentar o bem-estar. Pessoas extrovertidas, por exemplo, sentiriam-se mais felizes gastando com idas a um bar do que pessoas introvertidas.

Sandra Matz, do departamento de psicologia da mesma universidade, diz que isso mostra que gastar dinheiro em produtos que ajudam indivíduos a se expressar de acordo com a sua personalidade pode ser tão importante quanto encontrar um trabalho certo ou os amigos ideais.

Considerando que as pessoas têm uma tendência para se comparar com os outros e comprar coisas que as posicionem em num certo lugar de status social, a procura pelos bens que possam fazer cada um feliz depende de um processo mais longo.

É uma questão de autoconhecimento, de saber o que o faz realmente feliz.

Pessoas felizes conseguem mais dinheiro

O italiano Eugenio Proto, professor de economia da Universidade de Warwick, no Reino Unido, é o responsável por um estudo que mostra que a felicidade vem antes do dinheiro: pessoas felizes tendem a ser mais produtivas. O economista afirma que a personalidade tem relação direta com a capacidade de ser feliz a partir do dinheiro.

«Se você não tem como dar comida  aos seus filhos ou ter uma casa, você não vai ser feliz. Mas a partir do momento em que passa disso, a personalidade influencia bastante », afirma.

O economista investigou a relação entre o rendimento e o bem-estar das pessoas que têm maior risco de depressão ou de sensibilidade a sentimentos como raiva ou hostilidade. Ele constatou que, nesses casos, mais dinheiro não torna necessariamente alguém mais feliz.

 

 

(artigo originalmente publicado no site Human Resources Portugal)

 

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
Loading...