Cancro do ovário. Conheça os principais sintomas e fatores de risco

Esteja atenta a estes sinais de alerta, pois são essenciais para conseguir obter um rápido diagnóstico.

O termo cancro do ovário aplica-se a um grupo biologicamente e morfologicamente diverso de neoplasias malignas (tumores) que afetam o ovário. Sendo certo que a origem destes tumores é algo controversa, ao longo dos anos várias propostas têm surgido.

Nos EUA esta é a quinta causa de morte mais frequente associada a um cancro. Já em Portugal estima-se que todos os anos sejam diagnosticados cerca de 600 novos casos.

[Leia também: Cancro. Estes são os 5 mitos que deve (mesmo) esquecer]

Ao contrário do que acontece com outros tipos de cancros, que permitem um diagnóstico em fase inicial, o cancro do ovário constitui uma doença silenciosa, só dando sintomas em fases mais avançadas.

O diagnóstico do cancro do ovário não é fácil, pelo que na maioria dos casos, quando o problema é descoberto, o grau de compromisso do organismo é já bastante elevado, o que condiciona a possibilidade do tratamento.

Eis alguns dos sintomas iniciais que podem estar associados a esta doença, sobretudo se persistirem de forma consistente durante mais de 2 semanas.

  • Dor ou pressão na pélvis
  • Sangramento vaginal inesperado
  • Dor nas costas ou abdômen
  • Inchaço
  • Sensação de saciedade exagerada
  • Alterações dos padrões urinários ou dos hábitos intestinais

 

5 principais fatores de risco

O cancro do ovário desenvolve-se sempre que as células nesta região do corpo se dividem e multiplicam de uma forma incontrolada. Sendo certo que a causa exata para este problema continua a ser uma incógnita, muitos especialistas identificaram já um conjunto de fatores de risco que mais podem contribuir para o desenvolver destes tumores.

 

  1. Historial familiar

Ter na família um ou mais casos de cancro de ovário ou mama é considerado um dos principais fatores de risco, aumentando consideravelmente a probabilidade do desenvolver de um problema semelhante.

 

  1. Idade

Cerca de 50% dos casos de cancro no ovário ocorrem em pacientes com mais de 63 anos.

 

  1. Historial reprodutivo

Ter filhos parece estar associado a uma diminuição do risco de cancro no ovário. A amamentação é igualmente algo que parece ajudar a diminuir a prevalência deste problema médico. Por outro lado, ter filhos depois dos 35 anos ou nunca ser mãe é algo que está associado a um risco maior.

 

  1. Terapia de reposição hormonal

Os tratamentos hormonais seguidos após a menopausa, com o objetivo de aliviar alguns dos sintomas típicos desta fase da vida da mulher, parecem contribuir para um risco maior de cancro do ovário. Quanto mais tempo a mulher seguir este tipo de tratamentos de reposição hormonal maior será o risco de se desenvolver um tumor.

 

  1. Obesidade e excesso de peso

O cancro do ovário é consideravelmente mais comum em mulheres como índice de massa corporal superior a 30.

 

 

 

Ler Mais


Artigos relacionados
Comentários
Loading...