A queimadura

A Forever Young, em parceria com a Escrivaninha, apresenta agora semanalmente a todos os leitores um conto literário ou “short story” para inspirar e entreter.

A água fervia quando caiu no braço prático. De seguida, soou a reacção da boca com uma ordem.

O braço direito foi, então, para o hospital («imagine-se», dizia a mente castradora) dentro de um pirex com água — porque não suportaria, de outro modo, os poros a gritar, intumescidos e furibundos, de dor. Na sala de espera, todas as bocas alheias se riram discretamente dele — havia-lhe dito o canto de um olho, que, de resto, nunca fora muito fiável, pelo pendor exagerado que sempre dava a determinados ângulos.

 

De seguida, o braço teve direito a um comprimido rosa de compaixão e a um creme espalhado por mãos técnicas e cuidadosas — mais tarde por outras só carinhosas, que, ironicamente, foram também as mãos levadas, pelo acaso, à responsabilidade por aquela queimadura.

 

Como era de esperar, ao regressar a casa, o braço fez todos os pedidos que a uma vítima são devidos. Era, como todos os doentes, rabugento, vermelho, raivoso (ainda) com o que lhe acontecera.

 

Além disso, não estava senão habituado ao protagonismo que, quase sempre, se outorga a um braço direito: na escrita, no gesto, na utilidade de tudo o que fazia (congratula-se agora mesmo pelo elogio).

 

Não podia, portanto, habituar-se àquele novo posto de resguardo, sob um penso de parafina e uma liga grossa. E, como se não bastasse, perder o estatuto do intelecto e da utilidade, a pele escurecia, saía em escamas — perdendo a honra, em despedida. Piorando tudo, na sua malícia e coscuvilhice, os olhos entretinham-se com a apreciação algo sádica do aspecto do outrora glorioso braço direito.

 

Porém, segundo constou aos ouvidos, dali a uns tempos, o braço renascerá com um novo fulgor, uma tez mais macia, jovem e brilhante. Mas, como diz o olho céptico ao canto do olho incauto, o melhor é mesmo «ver para crer».

 

 

Elsa Alves

(texto escrito de acordo com a antiga ortografia)
A Escrivaninha é uma equipa de freelancers que se dedicam à revisão, edição, tradução e produção de texto, criada por quem conhece e reconhece a beleza mas também os ardis da língua portuguesa. Conheça melhor os nossos serviços aqui.

 

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
Loading...