Cientistas descobrem que os corpos continuam a mover-se até um ano após a morte

Cientistas australianos fizeram esta descoberta utilizando uma câmera de time lapse. Esta descoberta pode mudar de maneira significativa como os cientistas analisam e interpretam as cenas de crimes.

Os investigadores da Australian Facility for Taphonimic Experimental Research (AFTER) fizeram esta surpreendente descoberta capturando imagens aéreas do corpo a cada 30 minutos durante os últimos 17 meses. Durante todo o período de captura de imagens, o cadáver continuou a mexer-se.

As investigações forenses podem ganhar um novo rumo graças a esta pesquisa.

“O que descobrimos foi que os braços estavam a mover-se significativamente. (Os braços) estavam ao lado do corpo, mas acabaram se por se afastar”, disse a cientista Alyson Wilson, da Universidade Central de Queensland.

Wilson explicou que era esperado algum movimento após a morte nos estágios iniciais da decomposição, mas o facto de ter continuado durante toda a duração das filmagens foi uma surpresa completa. A cientista indicou ainda: “Achamos que os movimentos estão relacionados com o processo de decomposição, à medida que o corpo mumifica e os ligamentos secam. Este conhecimento pode ser significativo nas investigações de mortes não explicadas”.

Esta descoberta pode mudar de maneira significativa como os cientistas analisam e interpretam as cenas de crimes, principalmente quando restos humanos são descobertos algum tempo após a morte. Até agora, a menos que houvesse evidências de que um corpo tivesse sido movido – por animais ou pessoas -, os cientistas forenses geralmente assumem que a posição de um corpo descoberto é a posição exacta da hora da morte.

Inicialmente, a camera tinha sido instalada para determinar como acontece a decomposição de um cadáver. A ideia era usar o time lapse para determinar como um corpo se decompõe num intervalo de seis meses. As imagens obtidas foram armazenadas e serão usadas para analisar cenas de crime com mais precisão no futuro.

Este banco de dados vai fornecer informações sobre as formas como os corpos se movem após a morte, o que, por sua vez, vai permitir que os cientistas forenses reconstruam a posição do corpo no momento da morte.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Black Friday 2019 em números
Automonitor
FIA escolhe Braga como palco do Hill Climb Masters 2020