Estudo: um mau olfato aumenta o risco de morte na terceira idade

Investigadores estudaram a relação entre a perda de olfacto e o maior risco de morte.

Os cientistas americanos responsáveis pelo estudo descobriram que a perda de olfato está associada a um risco de morte quase 50% maior na próxima década para adultos com mais de 70 anos.

Embora o estudo não tenha provado causa e efeito, esta associação é suficiente para fazer com que alguns especialistas se perguntem se o olfato dos idosos deve ser testado juntamente com outros sinais vitais.

“Não ficaria surpreso se algum dia o sentido do olfato fosse incluído como um simples exame, para ver se este importante sentido humano está afetado”, disse o pesquisador sénior Dr. Honglei Chen, professor de epidemiologia e bioestatística da Universidade Estadual de Michigan.

Cerca de 1 em cada 4 americanos idosos sofre de falta de olfato, indicaram os investigadores. Além disso, a pesquisa associou a perda da capacidade de cheirar ao risco de distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Alzheimer, a doença de Parkinson e algumas demências, disse Chen.

Mas Chen e os seus colegas suspeitavam que o olfato pudesse ter implicações mais amplas para a saúde dos idosos do que apenas uma predisposição às condições do cérebro.

Foram então analisados dados de quase 2.300 adultos entre os 71 e 82 anos.

Os participantes fizeram um breve teste de identificação de cheiro como parte de uma bateria de exames de saúde. Depois foram rastreados durante cerca de 17 anos, para ver quais doenças viriam a afectá-los.

É incomum que os idosos testem o seu olfacto, disse Vidyulata Kamath, professora assistente de psiquiatria e ciências do comportamento na Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore.

“Percebemos quando a nossa visão está a mudar. Há algumas evidências quando a nossa audição está diferente. Mas o que os estudos mostraram é que existe uma discrepância considerável entre o relato das pessoas sobre o funcionamento do olfato e as pontuações reais em testes objetivos”, disse Kamath. “Há um número considerável de adultos que desconhecem a perda olfativa”.

Kamath escreveu um editorial que acompanha o estudo. Ambos foram publicados a 30 de abril na revista Annals of Internal Medicine.

“Descobrimos que, em comparação com pessoas com um bom sentido de olfato, aquelas com um mau olfato tinham um risco 48% maior de morte no ano 10 e um risco 30% maior no ano 13”, disse Chen. “Como estamos a falar de uma população mais velha, este risco não é pequeno”.

A associação foi amplamente limitada a pessoas que se reportaram com boa ou excelente saúde no início do estudo, observou Chen.

“Isto sugeriu-nos que é um marcador precoce e provavelmente sensível para condições de saúde contínuas que podem não ser reconhecidas regularmente pelos próprios participantes”, afirmou Chen.

Além disso, os investigadores descobriram que as condições já associadas ao mau olfato representavam apenas 28% de maior risco de morte. Isto inclui 22% do risco atribuível a doenças neurodegenerativas e 6% relacionados à perda de peso, relataram os cientistas.

“Quando alguém perde o olfato, provavelmente terá efeitos secundários no apetite”, explicou Kamath. “A pessoa pode não conseguir desfrutar da comida como antes. Isto pode levar a mudanças no peso corporal e no estado nutricional”.

As pessoas que comem mal devido ao olfato perdido podem estar também em maior risco de desenvolver doenças cardíacas, devido à desnutrição ou ao comer alimentos não saudáveis ​​que têm um sabor vivido, acrescentou Chen.

Embora estas descobertas sejam interessantes, ainda é muito cedo para tornar os exames de olfato parte dos exames regulares dos idosos, concordaram Chen e Kamath.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Lego lança minissérie no YouTube
Automonitor
Portugal a caminho de bater recorde de produção anual