Estes são os 5 problemas de pele mais comuns após os 70 anos

Estudo revela os maiores riscos para a população mais envelhecida. Esteja atento a estes sinais.

Caso já tenha rugas então não precisa que ninguém lhe explique que o processo de envelhecimento afeta obviamente a sua pele. Isto é algo natural e inofensivo que acaba por se manifestar com maior prevalência a partir dos 50 anos.

No entanto algumas das alterações que a pele sofre após os 50 podem estar na origem de outros tipos de problemas ou doenças mais preocupantes.

[Leia também: A idade não perdoa. Cuide da sua pele com estes ingredientes naturais]

De acordo com um recente estudo finlandês (que contou com 552 participantes, com idades entre os 70-93 anos), 75,7% dos adultos com mais de 70 anos sofrem pelo menos de uma doença na pele. 39,1% chegam a ter simultaneamente cerca de 3 problemas dermatológicos que podem exigir acompanhamento médico.

Os investigadores apontam para a necessidade de se realizarem exames com frequência a todo o corpo, como forma de diagnosticar antecipadamente grande parte destas situações.

Conheça agora os 5 tipos de problemas de pele que mais o podem afetar depois dos 70. A boa notícia? Alguns deles podem ser tratados em casa, sem necessidade de acompanhamento médico.

 

  1. Ceratoses Seborreicas (78%)

Este é um problema extremamente comum, não-cancerígeno, que afeta grande parte da população mais envelhecida. As ceratoses seborreicas são um tipo de verruga que aparece na cara, no peito, nos ombros ou costas. Tipicamente têm uma aparência escura, acastanhada, e elevam-se ligeiramente em relação à pele. Nestes casos não é necessário qualquer tipo de tratamento, no entanto se causarem irritação podem ser removidos pelo médico.

  1. Lentigo Solar (69%)

As pessoas mais envelhecidas com pele mais clara e que tenham passado grande parte da sua vida ao sol são as que apresentam um maior risco de desenvolverem lentigo solar (ou manchas hepáticas, como também são conhecidas). Estas manchas acastanhadas urgem habitualmente na face, nas mãos, nos ombros ou braços. São inofensivas e não necessitam de tratamento. Nestes casos é importante que exista um acompanhamento médico, no sentido de se diferenciar este problema de algo mais sério ou cancerígeno como um lentigo maligno.

  1. Angiomas Rubi (63%)

Estas são as pequeninas bolinhas vermelhas que surgem na pele ao longo da vida adulta e que se podem acentuar com o envelhecimento. Podem variar de tamanho e tendem a começar a aparecer depois dos 30. Este tipo de bolinha vermelha – também conhecido por angioma senil – composta por vasos sanguíneos pode estar algo elevada em relação à pele ou simplesmente ao mesmo nível. Não representam qualquer risco de saúde, no entanto se existir alterações abruptas na sua aparência ou algum tipo de sangramento então deverá contactar o seu médico.

  1. Nevo Melonocítico (50%)

Estes são o tipo de pequenos sinais acastanhados que surgem na pele ao longo da infância e adolescência. O número deste tipo de pigmentos pode variar tremendamente de pessoa para pessoas. São habitualmente uniformes na sua cor e regulares na sua forma. A maior parte destes sinais são inofensivos, mas em raras ocasiões podem tornar-se cancerígenos. É importante que se mantenha vigilante caso se tornem subitamente maiores, mais escuros, irregulares ou dolorosos.

  1. Pé de Atleta (48%)

Esta é uma infeção comum causada por um grupo de fungos chamados dermatófitos que tendem a “ganhar força” em ambientes quentes e húmidos. Sintomas incluem comichão, bolhas, descamar da pele, etc. Este tipo de infeção pode alastrar-se para as unhas, tornando-as mais duras ou amareladas. O tratamento à base de cremes antifúngicos pode demorar meses pelo que é recomendado que seja paciente. É frequente que este fungo possa surgir novamente no futuro. Caso o tratamento não funcione, é recomendado que visite o seu médico.

 

[Leia também: Massagem nos pés perfeita? Esta é a simples (e eficaz) técnica que vai querer experimentar]

 

 

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
Loading...