Cinco coisas que importa saber sobre o cancro dos ovários

O cancro do ovário continua a ter uma elevada taxa de mortalidade, sendo difícil o seu diagnóstico precoce.

Não sendo um dos tumores mais frequentes, o cancro do ovário está associado a uma taxa de mortalidade alta, estimado como a 8.ª causa de morte por cancro na mulher em todo o mundo(1), isto porque, explica Cristina Frutuoso, ginecologista, “cresce de forma silenciosa, com clínica inespecífica”, sendo o seu diagnóstico precoce difícil.

A especialista acrescenta que “os sintomas são pouco valorizados pelas mulheres e por vezes até pelos médicos. As queixas são facilmente atribuíveis a problemas digestivos”, sendo por isso essencial que a mulher “esteja atenta ao seu corpo, valorize os sinais abdominais que aparecem de novo e persistem”.

Segundo dados do Globocan, em 2020 foram diagnosticados 561 novos casos em Portugal e registadas 408 mortes por este tumor(2). Para mudar este cenário há informação que importa não esquecer.

“A idade é um fator de risco para o cancro do ovário.’’

Cristina Frutuoso explica que este tipo de tumor “surge sobretudo depois da menopausa”, o que não significa, no entanto, que as mulheres não devam estar atentas desde sempre.

“Os sintomas associados ao cancro do ovário são, na sua maioria, inespecíficos.”

Nas fases iniciais da doença, é mesmo comum a inexistência de sintomas, sendo este um fator responsável pelos atrasos no diagnóstico.

De entre os sintomas mais comuns, numa fase mais precoce, contam-se a sensação de peso, dor pélvica e alterações urinárias, e em fases mais avançadas – sensação de enfartamento e aumento do volume abdominal. (1)

“O cancro do ovário pode ser causado por mutações BRCA.’’

“Ter esta mutação significa risco muito acrescido de ter cancro do ovário e de outros órgãos, como da mama, do pâncreas e da próstata”, explica Cristina Frutuoso, que confirma que a doente com cancro do ovário têm indicação para fazer estudo genético independentemente do seu histórico familiar. E que adicionalmente, existe um conjunto de fatores de risco definidos que orientam para o estudo genético na mulher saudável. “E se a mulher com cancro do ovário tiver mutação BRCA, tem indicação para o tratamento com fármacos alvo, os chamados inibidores da PARP, e consequentemente melhor resposta. Estas abordagens podem ser usadas em consolidação, logo na primeira fase do tratamento.” Ser portadora da mutação, refere ainda, “permite tomar medidas preventivas, ainda que mutilantes’’. Recomenda-se que a mulher saudável com probabilidade de ter mutação BRCA, faça consulta de aconselhamento genético.

“São cada vez mais os tratamentos para o cancro do ovário.’’

De acordo com a especialista, “a sobrevivência tem vindo a aumentar. A especialização dos centros na cirurgia do cancro do ovário avançado, com concentração dos casos em poucos hospitais, permite melhor tratamento cirúrgico. Por outro lado, tem havido grande evolução no tratamento médico.”

“Há formas de preservar a fertilidade das mulheres com o diagnóstico de cancro do ovário.’’

Cristina Frutuoso explica que “o cancro epitelial seroso de alto grau, que é o cancro do ovário mais prevalente, surge mais frequentemente depois da menopausa. Quando surge em idade fértil, são excecionais as situações em que a preservação da fertilidade é possível”. No entanto, outros tumores malignos do ovário, mais raros, que surgem em idades mais jovens, “permitem habitualmente cirurgias que preservam a fertilidade. Nos casos em que há indicação para quimioterapia, pode recorrer-se a técnicas de preservação da fertilidade, como a criopreservação de ovócitos”.

Para saber mais sobre este tumor, no próximo dia 29 de maio, domingo, realizar-se-á o I Encontro saBeR mais ContA, no Palácio Baldaya (Sala do Desembargador), dirigido a doentes, cuidadores e familiares e totalmente gratuito, com inscrições obrigatórias aqui. O programa, com início às 14h30 (receção dos participantes a partir das 14h00), contará com sessões de esclarecimento e workshops.

Esta é uma iniciativa da campanha “saBeR mais ContA”, que tem como objetivo, desde 2019, esclarecer a população, particularmente, doentes oncológicos e seus familiares sobre a relação entre as mutações genéticas BRCA e alguns tipos de cancro, entre os quais o cancro do ovário, e que conta com um site para consulta e presença nas redes sociais, onde regularmente são partilhados diversos conteúdos, entre eles, vídeos informativos. Em 2022, a campanha tem como parceiros a Careca Power, a Evita, a Europacolon, a MOG (Movimento Oncológico Ginecológico), a Revista Cuidar, a Sociedade Portuguesa de Genética Humana, a Sociedade Portuguesa de Ginecologia, a Sociedade Portuguesa de Oncologia, a Sociedade Portuguesa de Senologia e a AstraZeneca.

Referências:

(1) Guia as mutações BRCA e o cancro, News Engage, 2019 – Capítulo “Patologia do cancro do ovário – Sintomas, incidência e fatores de risco” da autoria do Prof. Doutor Miguel Abreu

(2) Globocan acedido em maio de 2022, em: https://gco.iarc.fr/today/data/factsheets/populations/620-portugal-fact-sheets.pdf

Ler Mais


Artigos relacionados
Comentários
Loading...