Sabe qual a melhor forma de praticar exercício após os 50? Nós explicamos

Após os 50 anos surgem dúvidas quanto à melhor forma de abordar o exercício físico.

Apesar de ser do conhecimento geral que a atividade física é benéfica para a saúde em todas as idades, há cuidados a ter relativamente à frequência e à intensidade, além de que se torna necessário ter em conta o historial médico e as doenças adjacentes.

Antes de mais, importa perceber as razões pelas quais o exercício físico é tão necessário. Entre os 50 e os 80 anos, sofremos uma perda de massa muscular que pode chegar aos 40%, provocando uma diminuição da força em 1,5% por ano. A isto junta-se a degradação da audição, da visão, da propagação dos impulsos nervosos e da velocidade dos reflexos.

O envelhecimento é também um fator de risco no que diz respeito a outras complicações de saúde, como a obesidade, a diabetes e o surgimento de doenças cardíacas. sendo uma das formas de combater estes problemas evitar o sedentarismo e continuar (ou começar) a exercitar o corpo.

A atividade física, mesmo que de ligeira intensidade, é potenciadora de inúmeros benefícios com efeitos reais na saúde. Manter uma atividade regular melhora o controlo da tensão arterial, dos níveis de glicose e da gordura no sangue, permite manter o peso e a composição corporal e aumenta a força e resistência dos músculos. Promove também o fortalecimento dos ossos, prevenindo a osteoporose, e potencia a capacidade pulmonar, a oxigenação dos tecidos e a produção de neurónios. Tudo boas razões para começar a fazer exercício desde já, caso ainda não o faça.

No entanto, como em tudo na vida, a chave para o sucesso é o equilíbrio. Os benefícios da atividade física são inegáveis, mas a necessidade de conhecer os seus limites também. O exercício que irá fazer aos 50 anos não será o mesmo que fez aos 20. Além de ser importante ter em consideração a modalidade que vai praticar – natação, corrida, pilates, ioga – é crucial ter noção dos níveis de intensidade seguros para que aquilo que deve ser benéfico não se transforme num problema. Conhecer o seu corpo e respetivos limites, bem como a atividade física que pratica, é meio caminho andado para evitar lesões.

Se for começar agora a fazer desporto sem ter tido esse hábito durante muito tempo, o melhor será consultar antes um médico.

 

Qual o melhor exercício?

Muitas vezes a decisão de começar a fazer exercício físico aos 50 anos chega com uma pergunta: qual o melhor?

Existem muitas formas de se manter fisicamente ativo. Uma simples caminhada de trinta minutos já é o suficiente para combater o sedentarismo, mas se o seu médico não levantar objeções, correr é um exercício de maior intensidade, com os benefícios acrescidos.

Outros exercícios a ter em conta são a natação, a hidroginástica, a musculação, a pilates e a ginástica localizada, que aumentam a força e a resistência muscular.

Com tantas opções disponíveis, o melhor exercício será sempre aquele que gostar mais e que obter a concordância do seu médico. Praticar uma atividade física deve proporcionar-lhe prazer para o manter motivado por mais tempo.


O que comer?

É importante que coma alguma coisa antes de praticar exercício físico. O ideal é comer pelo menos uma hora antes de iniciar o treino. No entanto, é preciso ter cuidado porque também não deverá comer qualquer coisa ou exagerar. Os melhores alimentos para ingerir antes de uma atividade física são os hidratos de carbono: cereais integrais, batata doce ou massas integrais, por exemplo. Pode complementar com frutas.

 

Começar uma atividade física em cinco passos

 

  • Consulte o seu médico
    É a melhor forma de começar. Tenha ou não problemas de saúde que o possam condicionar, a opinião do médico é importante quando se começa a praticar exercício aos 50 anos. Só desta forma poderá ter a noção exata de eventuais riscos ou a certeza de que pode começar já a treinar sem limitações.
  • Escolha uma modalidade
    Uma simples caminhada diária de trinta minutos já é melhor do que nada, mas se quiser aliar a atividade física a alguma diversão, o melhor será escolher uma modalidade com aulas em grupo. A dança, a natação e a hidroginástica são modalidades que se praticam com outras pessoas e existem em quase todas as autarquias ou ginásios. Se preferir desportos individuais, poderá pensar em modalidades como a musculação, o remo, o ténis ou o golfe.
  • Leve um amigo
    Uma das melhores formas de tornar o exercício físico agradável e regular é evitar torná-lo uma atividade solitária. Levar consigo um ou mais amigos irá aumentar a sua motivação e a dos outros, transformando o desporto numa rotina social da qual não irá querer desistir à primeira oportunidade.
  • Equipe-se
    Consoante a modalidade escolhida, certifique-se que tem o equipamento necessário. Praticar exercício físico com roupa desajustada pode tornar a experiência bastante desagradável e até conduzir a lesões desnecessárias.
  • Treine sem pressões
    Lembre-se que está a fazer exercício pelos efeitos benéficos que ele tem e não para ir aos próximos Jogos Olímpicos. Não ceda à pressão de ir além daquilo que pode ir, mas também não se iniba de trabalhar bastante dentro dos seus limites seguros. Treine regularmente e, acima de tudo, divirta-se!
Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Josefinas abre lojas pop-up em Braga e Lisboa
Automonitor
Cepsa Black Week começa esta sexta-feira