Do abacate à menta passando pela canela, estes são os alimentos mais afrodisíacos

Descubra-os aqui. Surpreenda-se e divirta-se.

Abacate: a árvore do abacate era conhecida pelos astecas como a “árvore dos testículos” porque os frutos  caem dos ramos aos pares, o que faz lembrar testículos. O seu valor afrodisíaco baseia-se nesta semelhança.

Abóbora: originária da América, era parte da base da alimentação das civilizações Asteca, Inca e Maia. Pertence à família Cucurbitácea, a mesma da melancia, do melão, do chuchu e do pepino. É rico em betacaroteno (vitamina A), possui uma quantidade razoável de fibras, além de vitamina C, potássio, cálcio e fósforo. Contém poucas calorias. Devido ao formato e ao aroma que emana aumenta o apetite sexual.

Arroz: tal como o milho, o arroz é considerado um alimento símbolo de fertilidade. Também não faltam associações entre a comida e as festas nupciais. Neste caso a chuva de arroz, tradicionalmente atirada pelos convidados sobre os noivos recém-casados, representa a ejaculação e o sémen.

Banana: é considerado um símbolo sexual por excelência. A capacidade de estimular a libido está relacionada mais com a forma da fruta do que com as suas propriedades. Boa fonte de potássio (contribui para uma função muscular adequada) e de vitaminas do complexo B essenciais para a produção de hormonas sexuais.

Canela: extraída da casca da árvore da canela, é utilizada em lascas e em pó. Apresenta um agradável aroma. É afrodisíaca, anti-inflamatória, antimicrobiana, antioxidante, antisséptica, adstringente e estimulante natural. Quando consumida facilita a digestão e ajuda a regular os níveis de glicose no sangue (ou seja, previne as hipoglicémias).

Chocolate: contém uma substância especial, o alcaloide teobromina que provoca uma excitação semelhante à da cafeína. Também devido à presença do aminoácido fenilalanina ajuda a libertar endorfinas, que nos cria uma sensação de força e bem-estar. Há quem diga que o chocolate causa a mesma euforia que sentimos quando estamos apaixonados. O chocolate contém mais antioxidantes (que ajudam a prevenir diversos tipos de tumores) que o vinho tinto. O segredo para a paixão é combinar os dois.

Citrinos: devido à riqueza em vitamina C, estes frutos devem fazer parte da nossa alimentação. Esta vitamina pode aumentar a quantidade de esperma produzido, promovendo ejaculações abundantes.

Framboesas: na arte da sedução convidam ao amor e à paixão. Ricas em antioxidantes beneficiam todo o sistema cardiovascular.
Menta: diz-se que a menta foi a primeira planta medicinal utilizada com fins afrodisíacos, especialmente para as mulheres. A menta é um estimulante suave do sistema nervoso e desobstrui as vias respiratórias (essencial para uma boa oxigenação). No entanto, tem outras utilizações, como por exemplo, para facilitar a digestão e afastar o mau hálito. Daí que em muitas refeições existam os licores de menta ou os chocolates com recheio de menta.

Noz-moscada: tem efeitos afrodisíacos quando consumida em pequenas quantidades (menos de meia noz deve ser o suficiente), e tem sido usada como tal por hindus, árabes, gregos e romanos. No Oriente era especialmente apreciado pelas mulheres. No entanto, os efeitos secundários, quando consumido em grandes quantidades, podem ser graves e não causar o efeito desejado uma vez que tem um efeito alucinogénio. Apresenta um efeito afrodisíaco subtil quando utilizada em pequeníssimas quantidades.

Ovos: pela associação com a fertilidade, os ovos fazem parte dos alimentos afrodisíacos. Para muitos povos, as suas propriedades afrodisíacas são bem conhecidas, em forma de gemadas. Os ovos de codorniz são considerados os mais afrodisíacos.

Pepino: é sobretudo devido à sua forma fálica. Mas acredita-se que o aroma do pepino estimula as mulheres aumentando o fluxo sanguíneo para a vagina.

Pera: devido às suas semelhanças com as curvas do corpo feminino é considerado um forte e potente afrodisíaco.

Pimenta: a reputação da pimenta ser um afrodisíaco vem desde as antiguidades, quando era consumida pelos egípcios, gregos e romanos. A ingestão de pimenta leva a alterações fisiológicas no organismo, tais como aumento da transpiração, da circulação sanguínea e da frequência cardíaca, que são semelhantes àquelas vivenciadas quando se faz sexo. A substância responsável, pelos efeitos acima citados, chama-se capsaicina que também é um ótimo analgésico. Outro efeito descrito causado por uma grande ingestão de pimenta é a irritação dos órgãos genitais e da região urinária que provoca uma sensação semelhante à excitação sexual.

Salsa: existem mais de trinta variedades comestíveis e a sua utilização alivia o hálito de cebola ou de alho.

Tomate: é considerado como um afrodisíaco desde o tempo dos descobrimentos das Américas. Tem fama de reactivar o corpo e de o confortar em momentos de esgotamento, principalmente se for combinado com alho e cominhos – um cocktail cheio de saúde e muito rico em vitaminas.

Trufas: são cogumelos subterrâneos e são um potente e caríssimo afrodisíaco. São ricos em feromonas (substâncias químicas) que reforçam o poder da atracão sexual.

Uvas: fruta associada a Dionísio, o deus grego do vinho e também deus da fertilidade e da procriação. Existe sempre a imagem de um dos amantes alimentar o outro uva a uva. E se as sementes forem retiradas é uma forma de demonstrar carinho pelo parceiro e não para aumentar as propriedades de estimulação. Pode ter uma apresentação em forma de “bagos”, esta fruta está associada ao prazer e à fertilidade.

Vinho: o álcool é um vasodilatador, por isso, vai dilatar os vasos sanguíneos fazendo com que o sangue aflua mais rapidamente aos genitais. Regra geral, transforma quase todas as mulheres em verdadeiras musas, aos olhos de quem bebe.

Ler Mais


loading...
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

27 − 20 =