A pensar nas próximas férias? Dê um salto a Macau

Apesar da distância geográfica e da cultura marcadamente oriental, Macau é uma das regiões do Mundo com maior proximidade a Portugal.

Macau é uma das regiões administrativas especiais da República Popular da China (a outra é Hong-Kong) desde 20 de dezembro de 1999, dia em que terminou a administração portuguesa daquela região. Para trás ficaram mais de 400 anos de história partilhada entre Portugal e Macau, bem como um legado histórico de abertura ao Mundo e a diferentes culturas, o que motiva a atração e o interesse dos portugueses.

Macau é um daqueles destinos turísticos a que se vai uma vez, frequentemente numa fase mais avançada da vida, porque é suficientemente distante para justificar uma estadia de uma semana ou mais, e também porque se trata de uma viagem dispendiosa. Mas é, de facto, um destino de sonho para muitos. Em 2016, a região recebeu perto de 31 milhões de visitantes, 15.624 oriundos de Portugal, segundo dados da Turismo de Macau.

Duas das razões que suscitam este interesse é a proximidade linguística e a herança cultural da administração portuguesa. Macau tem duas línguas oficiais – o chinês (mandarim e cantonês) e o português -, o que faz com que existam muitos letreiros, indicações e até jornais e revistas bilingues. É fácil para um português fazer-se entender, principalmente entre as faixas etárias mais velhas, que falam fluentemente português.

Estatuto especial

O território de Macau foi colonizado pelos navegadores portugueses em meados do século XVI. Além de levar prosperidade àquela região, os portugueses transformaram Macau um importante entreposto comercial entre a China, a Europa e o Japão. No final do século XVI e princípio do século XVII, Macau atingiu o auge da prosperidade, mas foi preciso esperar até 1887 para a China reconhecer oficialmente a soberania e a ocupação portuguesa, através do Tratado de Amizade e Comércio Sino-Português. Mesmo assim, o documento teve sempre duas interpretações: para os portugueses, a soberania sobre Macau era reconhecida no tratado; no entanto, para os chineses, só os direitos administrativos eram transferidos.

Um século depois, em 1987, Portugal e Macau retomaram a mesa das conversações para agendar o regresso da região à administração chinesa. A data de transferência de soberania ficou agendada na Declaração Sino-Portuguesa Sobre a Questão de Macau para 20 de dezembro de 1999. Desde então Macau tornou-se uma região administrativa especial chinesa, sob o princípio “um país, dois sistemas”, segundo o qual, após a reunificação da China continental, Hong Kong e Macau podem praticar o capitalismo com um elevado grau de autonomia por um período de 50 anos, ou seja, até 2049. Este estatuto de autonomia exclui, no entanto, questões relativas às relações exteriores e à defesa do território.

Religião

Por ser um ponto de intercâmbio cultural entre o Ocidente e o Oriente, Macau caracteriza-se por uma grande diversidade de religiões como o Budismo, o Confucionismo, o Taboísmo, o Protestantismo e o Cristianismo, que coexistem de forma pacífica. A esmagadora maioria da população é budista, embora a religião seja olhada de uma forma muito conceptual, o que faz com que sejam incorporados no budismo elementos de outras crenças, da mitologia chinesa e de práticas tradicionais. Este conjunto heterogéneo é vulgarmente chamado de religiões populares chinesas.

Um dos pontos de contacto de Macau com o Ocidente é precisamente a religião. Existe uma comunidade bastante alargada de cristãos na região, sendo a maioria católica. Existe inclusivamente uma Diocese de Macau, que define a estrutura e a hierarquia dos membros do clero, sendo diretamente dependente da Santa Sé.

Segurança

Se vai de férias para Macau, pode estar relativamente descansado quanto à sua segurança. Durante várias décadas, a criminalidade violenta representou uma séria ameaça ao turismo porque a cidade não tinha capacidade para lidar com os grupos de crime organizado, designados localmente como Tríades. Estes grupos são evoluções de organizações político-revolucionárias existentes desde a Dinastia Qing (1644-1912), mas têm vindo a perder a sua identidade. Dedicam-se essencialmente a esquemas de extorsão, como comissões para não prejudicarem a atividade dos casinos, empréstimos a viciados em jogo, proteção forçada a comerciantes, tráfico de droga e lavagem de dinheiro.

Nos anos 90 registaram-se vários assassinatos resultantes de ajustes de contas entre tríades, mas após a transferência da soberania para a China, o novo Governo da Região Administrativa Especial de Macau tem vindo a combater com êxito o crime organizado. Não será alheia a isso a presença no território de uma guarnição do Exército de Libertação Popular, que permitiu baixar a criminalidade violenta em 70% de 1999 para 2000, e em 45% na transição para 2001.

Apesar de continuarem em atividade muitas tríades, e de ser inegável a sua influência na sociedade, Macau é hoje muito mais seguro e os turistas podem movimentar-se em relativa segurança.

Turismo

Macau tem uma economia fortemente dependente do setor terciário, nomeadamente do turismo e dos jogos de sorte e azar. Os dois estão interligados, e a esmagadora maioria dos hotéis tem casinos onde são movimentados muitos milhares de euros, todos os dias. O setor dos jogos de sorte e azar é tão importante que a Universidade de Macau tem uma grande oferta de cursos superiores dedicados especificamente a este mercado, que emprega milhares de pessoas.

Para que se tenha uma ideia da importância deste setor, as previsões para 2018 apontam para 24,4 mil milhões de euros, o que representaria um aumento de 15% face ao ano passado. Tendo em conta que o imposto direto sobre as receitas de jogo é de 35%, o Governo de Macau conta arrecadar 8,5 mil milhões de euros este ano, só neste setor, que não inclui todas as outras infraestruturas turísticas não relacionadas com jogo.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...