Investir valores baixos mensalmente. É possível?

Esta semana, Ariana Nunes (educadora financeira e criadora do canal YouTube “Renda Maior) explica aos leitores da Forever Young como é possível criar uma estratégia de investimento sem grandes fundos iniciais.

Uma das questões que mais me é feita, enquanto anfitriã do canal Renda Maior, é “Onde posso investir com pouco dinheiro?” ou, formulada de outra maneira, “Como podemos começar investir mensalmente, tendo pouco capital?”.

Este artigo serve assim para partilhar o que eu fiz, quando iniciei esta jornada de pôr o dinheiro a trabalhar para mim.

 

  1. Prioridades para começar nos investimentos

 

Há uns anos, estava insatisfeita por colocar o meu dinheiro, mensalmente, num depósito a prazo, sabendo que no mês seguinte pouco ou nada iria receber com isso. Provavelmente, até usaria parte desse dinheiro no mês seguinte, pois não estava devidamente disciplinada e acabava, por vezes, por gastar parte do que tinha tentado juntar. E era sempre assim, poupava e depois, eventualmente, gastava. Claro que, com isso, o meu património era sempre pequeno e a reserva de emergência muito escassa. Não me sabia gerir e como os outros à minha volta eram um pouco como eu no que se tratava a finanças pessoais, acabava por dar  a desculpa “ganho pouco e não dá para mudar este cenário”.

Estava totalmente errada, pois assim que comecei a colocar o dinheiro numa conta separada e “inacessível”, da qual retirar o dinheiro era mais complicado pois não tinha cartão e demorava muito mais tempo a fazer a operação, comecei a ver resultados. Afinei a disciplina de me pagar primeiro, isto é, colocar de parte, mal recebia o ordenado o montante que queria poupar nesse mês. Comecei pelo passo número 1 que era ter uma reserva de emergência de pelo menos 6 meses (do ordenado que recebia na altura). Após constituir essa reserva, com foco e disciplina, comecei a investir esse dinheiro mensalmente, nunca menos 10% do que recebia, sem falhas e, por vezes, ainda investia mais um dinheiro extra que sobrava.

 

  1. Investimentos que escolhi

 

Ao ver que poderia aproveitar as rentabilidades da bolsa de valores, visto ser um local onde as pessoas mais bem sucedidas do mundo tinham uma parte dos seus investimentos, optei por estudar como poderia comprar ações em Portugal. Apercebi-me logo dos custos que as instituições bancárias cobravam e, fazendo as contas, levariam-me uma grande fatia do valor que tinha para investir mensalmente. Desanimei, até que conheci outras corretoras europeias que tinham comissões mais baratas e que me permitiram investir como queria e, acima de tudo, podia!

Analisei qual era o meu tipo de risco e como poderia montar uma carteira de acordo com o dinheiro que tinha. Comecei por aprender tudo o que podia sobre ações, obrigações e ETF´s (Exchange Traded Funds) e, com isso, vi que podia fazer um combinado, mesmo com pouco dinheiro mensalmente.

Optei por escolher ações inicialmente, pois queria ter um portfólio menos passivo, podendo deste modo, ser eu a escolher as empresas nas quais queria colocar o meu dinheiro. Afastei-me das empresas/mercados desconhecidos e, por consequência, devido a não ter muito dinheiro, afastei-me das que valiam muito (existem ações que valem mais de 1.000 euros).  Vi também, quem eram os grandes “players” do mercado e acompanhei muitas análises e notícias para conseguir perceber o que ia acontecendo.

Tive que aprender a ler relatórios e li muitos livros sobre o assunto. Mas mais do que um hobbie, investir dá-me a capacidade de saber mais, de estar mais bem informada e ainda, até aos dias de hoje, gera-me lucros financeiros.

 

  1. Vidas e rendimentos diferentes

 

Nunca me comparei a ninguém. O valor que eu podia investir, outros podiam muito mais, mas também conhecia quem não podia sequer investir esse valor porque tinha muitas obrigações ou muitos dependentes a seu cargo.

Sempre tentei seguir as estratégias criadas para poupar e, quando comecei a investir, o ânimo começou a ser maior, pois via resultados a acontecerem. Mas desengane-se quem acha que nunca errei, pois uma das primeiras ações que comprei e vendi, meses mais tarde, no prejuízo devido a um conflito e posterior despedimento do CEO de uma dessas empresas. Faz parte aprender com os erros e  com isso, aprimorarmos a nossa capacidade de saber investir.

A verdade é que sei que ainda não sei nada. Quanto mais leio e aprendo, mais preciso de aprender para investir cada vez melhor. Por isso, respondendo à questão se conseguimos investir com pouco dinheiro, “sim, é possível!” basta que se tenha força de vontade, disciplina e sacrifício, pois os resultados são alcançados a longo prazo. Tal como diz o provérbio chinês de Lao Tsé: “Uma longa viagem, começa com um único passo.” *

 

*Todo o conteúdo neste artigo apenas serve para fins educacionais e não representa qualquer tipo de aconselhamento financeiro. Consulte sempre um especialista certificado ou faça a sua própria análise no que se trata a investir, pois envolve risco de perdas.

 

 

 

Por Ariana Nunes
(Educadora financeira e criadora do Canal Renda Maior no YouTube)
Site: https://www.youtube.com/rendamaior

 

 

 

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
Loading...