Técnica revolucionária pode adiar a menopausa até 20 anos

A cirurgia, de apenas meia hora, pode ajudar as mulheres a evitarem condições de saúde crónicas que lhes tiram qualidade de vida, como é o caso da osteoporose. Este procedimento revolucionário é liderado pelo pioneiro da fertilização in vitro, Simon Fishel.

Esta inovação no campo da medicina, que chegou agora ao conhecimento público, pode transformar a vida de milhares de mulheres. De acordo com o Sunday Times, este envolve o congelamento do tecido dos ovários, uma prática que vai “enganar” os relógios biológicos.

Para milhões de mulheres, este progresso médico, que pode adiar a menopausa até 20 anos, é a resposta a um desejo de retardar sintomas físicos e emocionais, como ondas de calor, suores noturnos, problemas de memória, alterações de humor e ansiedade.

Além de que, com este avanço médico, as mulheres podem também estender sua fertilidade. No entanto, os médicos insistem que o objetivo desta inovação é apenas o de adiar a menopausa.

Em declarações ao Sunday Times, o diretor médico da empresa responsável (ProFaM) pelos primeiros testes, Yousri Afifi, congratulou-se com o facto de este ser «o primeiro projeto no mundo a fornecer criopreservação» de tecidos dos ovários de mulheres saudáveis, «apenas para retardar a menopausa».

Como funciona esta técnica revolucionária

Após a cirurgia, que remove um pedaço de um dos ovários, o tecido é então congelado a -150° C e preservado num banco de gelo até que as mulheres atinjam a menopausa. Em seguida, o tecido é descongelado e transplantado, para estimular as suas hormonas naturais, o que vai retardar a menopausa.

Até ao momento, nove mulheres britânicas já foram operadas nessa empresa cofundada por Simon Fishel. Com 66 anos, o pioneiro da fertilização in vitro, – cujo trabalho levou ao nascimento de Natalie Brown, irmã do primeiro bebé de proveta Louise Brown -, faz notar que «as mulheres estão a viver mais do que em qualquer outro momento da história da humanidade».

Como tal, o médico defende que é cada vez mais natural, com os muitos avanços científicos na medicina moderna, que queiramos «o controlo da nossa própria saúde». Assim, Fishel sublinha a importância deste novo procedimento, pois existe uma «grande probabilidade de as mulheres estarem na menopausa mais tempo do que no seu período fértil».

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Directora Digital da By é jurada nos Vega Digital Awards
Automonitor
Cepsa Black Week começa esta sexta-feira