A fórmula da felicidade: como um engenheiro da Google encontrou a equação do bem-estar e da alegria

“A Equação da Felicidade” é o livro em que o ex-líder da Google revela como funciona a sua fórmula matemática para a felicidade. Editado em 25 países, incluindo Portugal (Lua de Papel), este é um best-seller a nível mundial, que nasceu a partir de um acontecimento trágico e ganhou um intuito: tornar os outros felizes.

“A Equação da Felicidade” é o livro em que o ex-líder da Google [X] revela como funciona a sua fórmula matemática para a felicidade. Editado em 25 países, incluindo Portugal (Lua de Papel), este é um best-seller a nível mundial, que nasceu a partir de um acontecimento trágico e ganhou um intuito: tornar os outros felizes.

Aplicar o conceito de felicidade à algoritmia poderia não ser a ideia mais óbvia até que alguém o fizesse, e quem o fez foi Mo Gawdat, engenheiro e ex-líder da Google [X], uma divisão semi-secreta da empresa que desenvolve projetos tecnológicos para o futuro. Apesar de ser rico, bem-sucedido profissionalmente e casado com a mulher da sua vida, Mo Gawdat começou a estudar o tema da felicidade em 2001 e desenvolveu uma fórmula, que revelou no livro “A Equação Para a Felicidade”, escrito em 2010, 17 dias depois de um acontecimento trágico: a morte do seu fi lho, Ali. Desde o lançamento do livro têm vindo a multiplicar-se as reações positivas, bem como o alcance do movimento #onebillionhappy, uma campanha online com o objetivo de tornar felizes mil milhões de pessoas. Como ser feliz? Mo Gawdat responde à Forever Young.

Como surgiu a ideia de desenvolver uma equação para a felicidade?

Tal como a maioria das pessoas, eu não era feliz e resolvi começar a investigar este tema a partir de um ponto de vista que fosse capaz de compreender. Os livros sobre felicidade tendem a centrar-se na espiritualidade e, como engenheiro, tinha dificuldade em entender esse tipo de abordagem. Por este motivo, comecei a comparar a felicidade com uma máquina que, a determinada altura, deixa de funcionar. E quando se adota esta abordagem, temos de pensar em termos de engenharia e tentar dar respostas às perguntas que um engenheiro faz perante uma avaria. Em que momento a máquina deixou de funcionar? Como funcionava quando estava em perfeitas condições?

Ao tentar identificar quando comecei a sentir-me infeliz, percebi que era feliz aos 23 anos, no início da idade adulta, aos 16, em plena adolescência, aos 8, na infância… Recuando ainda mais e de forma muito interessante, percebi que era feliz aos zero anos. Ou seja, o ser humano é feliz na sua origem. Todos somos felizes “por defeito”.

Um bebé não precisa de nada do seu ambiente exterior para ser feliz, desde que as suas necessidades básicas sejam satisfeitas. Se não sentir fome, sede, frio ou dor, por exemplo, o bebé é feliz. Faz parte da sua maneira de ser. Mas depois cresce e começa a ouvir dizer que tem de ser bem sucedido na vida, que tem de ganhar muito dinheiro, que tem de ter um determinado tipo de corpo… E ao começar a acreditar em tudo isto, deixa de ser feliz.

Numa segunda abordagem, e voltando ao exemplo do bebé, observei que a sua felicidade não depende de fatores externos e assim se mantém até que tenha fome, por exemplo, ou seja, até que uma necessidade primária deixe de estar satisfeita. Quando isso acontece, alimentamos o bebé e ele volta ao seu estado original de felicidade. Isto alertou-me para uma coisa muito simples, mas surpreendente: felicidade não é mais do que a ausência de infelicidade.

Não precisamos de artigos de blogues para nos darem listas de 10 coisas que temos de fazer para sermos felizes. Temos de fazer apenas uma: deixar de ser infelizes. O que resta depois disso é a felicidade que existe em nós como “predefinição”

Se basta isso, podemos dizer que ser feliz é uma escolha?

É indubitavelmente uma escolha. Após chegar a estas conclusões, comecei a investigar aquilo a que chamo de matemática da felicidade. O meu objetivo era escrever uma equação, algo que fosse preditivo do que nos faz felizes ou infelizes.

Comecei a anotar todos os momentos da minha vida em que me senti feliz e extrapolei esses dados para gráficos para tentar encontrar um padrão. E ele estava lá: a minha felicidade é maior ou igual à diferença entre os acontecimentos da minha vida e a minha expetativa de como a vida deveria ser.

Tendo esta equação em consideração, podemos preditivamente criar felicidade sem depender das coisas que nos acontecem. A vida não tem de nos dar nada porque o que nos faz felizes ou infelizes é a diferença entre acontecimentos e expetativas. Vamos supor, por exemplo, que amanhã vai chover. A chuva pode fazer-me feliz ou infeliz, dependendo do que quero fazer amanhã. Não é a chuva ou qualquer outra coisa que a vida nos dê, que influencia a nossa felicidade. É a forma como respondemos a esse evento.

A minha investigação continuou, facto após facto, até encontrar felicidade em todo o lado. Não se trata de nunca nos sentirmos tristes. Trata-se simplesmente de podermos sempre regressar à felicidade.

A equação determina que a felicidade de alguém é maior ou igual à diferença entre os acontecimentos da vida e a expetativa de como a vida deveria ser. Acha que o mundo seria um sítio melhor se não tivéssemos tantas expetativas sobre tudo?

Não existe nada de errado em manter as nossas expetativas em alta, desde que façamos as coisas certas para as atingirmos e, assim, criarmos um mundo melhor. É bom tê-las, e só quando as elevamos nos tornamos persistentes, tentamos e temos esperança. O que fazemos ou não perante essas expetativas é o que influencia a felicidade. Nada de bom vem de alguém ficar fechado no quarto a chorar depois de ter falhado. É preciso aprender com o erro e tentar de novo.

Eu, por exemplo, envolvi-me na missão de fazer 10 milhões de pessoas felizes através do lançamento do meu livro e consegui-o em oito semanas. Vale a pena baixar os braços agora? Claro que não! Superado o desafio, criei um novo: tornar felizes mil milhões de pessoas.

Como se tornam felizes mil milhões de pessoas?

A missão baseia-se em três fases. A primeira é dar prioridade à felicidade. Não podemos achar que ser infeliz é “normal”, só porque outros o são também.

E como se dá prioridade à felicidade? Não indo a uma entrevista de trabalho pelo dinheiro que vamos ganhar com aquele emprego, mas porque aquele emprego vai fazer-nos felizes. Comprando um carro, não porque é caro, vistoso ou da marca A, B ou C, mas porque nos facilita a vida. Há milhares de formas de dar prioridade à felicidade em detrimento do que é acessório. Segunda fase: trabalhar para conseguir. Ninguém perde peso se não fizer dieta e exercício físico; ninguém aprende alemão se não for para um curso e estudar; e ninguém consegue um emprego de sonho se não o procurar primeiro. É preciso lutar pelo que queremos e investir na nossa felicidade.

A terceira fase consiste em ter a emergência de fazer os outros felizes. Ao aprender que algo nos faz feliz, partilhemo-lo com outros, que por sua vez irão contar a outros, criando uma cadeia de felicidade. Começamos com uma pessoa feliz e, de repente, em pouco tempo, temos mil milhões de pessoas felizes. Existem diferentes níveis de felicidade, sendo que o expoente máximo é fazer os outros felizes.

Isso não é uma forma de resignação?

É mais uma forma de aceitação. Vejamos, por exemplo, a relação do ser humano com a natureza. Se vemos uma árvore torta, não começamos a pensar numa forma de endireitá-la. Se olhamos para o mar, não fi camos ali a “matutar” que a vista é fantástica, mas bom mesmo seria se pudéssemos baixar o volume do som, porque está muito alto e não conseguimos conversar. Aceitamos a natureza como ela é, e o que está aqui em causa é aceitar a verdade da vida porque o que nos faz infelizes são os pensamentos obsessivos sobre coisas que são acessórias. Mas atenção: não defendo com isto que devamos aceitar o que está errado. Não se trata aqui de aceitar um ditador. Devemos combater aquilo que está errado e não tem necessariamente de ser algo tão radical como um ditador.

O mundo ganhou uma equação para a felicidade, mas, à primeira vista, não parece mais feliz do que era antes.

Será porque o ser humano é muito mais complexo do que a matemática?

Não somos assim tão complicados, embora tenhamos a tendência de complicar. A felicidade encontra-se na verdade, e, quando a procuramos, corremos o risco de não gostar do que vamos encontrar. A minha verdade é que o meu fi lho morreu. A verdade dói, mas quando a aceitamos, encontramos a felicidade. Esta equação não é sobre diversão, festa e lazer. É sobre uma felicidade interior, uma paz que encontramos quando aceitamos a vida como ela é. E a vida é uma soma de zeros. Entramos com nada e saímos com nada. “Alugamos” coisas pelo caminho que iremos perder mais à frente. Quando se percebe isto, a vida é uma coisa maravilhosa.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Black Friday 2019 em números
Automonitor
FIA escolhe Braga como palco do Hill Climb Masters 2020